Jornal Correio do Cidadão

Os senhores da Ética

Quando achamos que o Senado Federal está no limite do espalhafato nonsense, eis que somos surpreendidos pelo absurdo.

O Conselho de Ética tem como função advertir, censurar, suspender ou recomendar a perda do mandato dos senadores que quebrarem o decoro parlamentar. Até aí tudo bem, é uma iniciativa louvável e de grande valia. Porém, em se tratando de Senado, as coisas tomam um sentido bastante conturbado e obscuro.

Integra o Conselho de Ética, ninguém mais ninguém menos que Renan Calheiros, sim, aquele acusado de receber dinheiro de um diretor de empreiteira para sustentar o filho que tivera com uma ex-amante. Que foi suspeito de simular negócios com gado para lavar dinheiro. E que usara laranjas para comprar rádios e um jornal.

E não para por aí. O presidente do Conselho é o senador João Alberto, do PMDB do Maranhão. Adivinhem de quem foi a indicação? Exatamente! José Sarney!

E José Sarney nos lembra a Atos Secretos, que por sua vez, remete ao fiasco que foi o último Conselho de Ética, há dois anos.

A única preocupação é saber se as gavetas serão suficientes para abrigar mais uma avalanche de arquivamentos.

Anúncios

Jornal Correio do Cidadão

O dragão da vida real

Todo conto de fadas que se preze tem um dragão gigantesco e malvado, soltando fogo pelas ventas e com um bafo fedorento de enxofre. O príncipe, para provar seu amor e devoção à princesa, tem de derrotar, com suas próprias mãos, esse monstro terrível. Então eles se beijam e vivem felizes para todo o sempre.

Romances melosos à parte, estamos à mercê de um dragão muito maior e fedorento, que não ameaça apenas uma princesa indefesa, mas, mais de 190 milhões.

Ao invés de fogo, ele usa sua arma mais letal para nos atacar, os remarcadores de preços. Seu habitat natural são as prateleiras de supermercados, bombas de combustíveis e lojas de departamentos. Onde há cifras ele está no meio, pronto para mais um reajuste.

E como ele adora um reajuste.

Entra em êxtase a cada boletim econômico, pula de alegria ao ver preço da cesta básica disparando, dá cambalhotas de felicidade cada vez que vê a tabela de valores dos combustíveis.

E nós, as princesas indefesas, vivemos esperando o príncipe encantado com sua espada, seu cavalo branco e um final feliz.


Permanente, apenas a inconstância

Sempre a mesma, renovo-me a cada dia.

Se tudo é mutável, quanto mais crenças, pensamentos, realidades, desejos, evanescentes e intangíveis?

Quanto mais eu?

Se hoje sou Penélope, amanhã posso ser Lilith. Outro dia Helena, Joana, Isabel, Evita, Elisa, Maitê, Lya; posso ser Maria, também Coco, Marilyn, Luz Del Fuego, Jaqueline, posso ser tantas e cada uma, e nenhuma, e por fim eu mesma.

Não me julgue, não me pressuponha, não me classifique.

Sou ímpar, sou única, exemplar de colecionador, primeira edição de livro raro, jóia preciosa talhada por caprichoso ourives, sou o que me proponho, o que me valido, o que me defino.

Não me gereralize e não me banalize.

Sou leonina mansa, pisciana feroz – porque hão de existir paradigmas se não para serem rompidos?

Porque limites se não para ultrapassá-los? E ir além?

Não me julgue, não me pressuponha, não me classifique.

Lucemary Peres

http://confidentia-lu.blogspot.com



Jornal Correio do Cidadão

Bullying na política

(Tiago Silva)

Todos os paranaenses sabem muito bem que o nosso ex-governador, agora senador, Roberto Requião (PMDB), adora uma polêmica. Dono de um temperamento tempestuoso e de uma marra quase insuportável, ele vive numa linha tênue entre a força de expressão e o cúmulo do ridículo.

Campo Mourão já foi palco de uma das mais famosas polêmicas recentes na vida pública de Requião. Durante a Festa Nacional do Carneiro no Buraco de 2010, ele saiu no tapa com o ex-prefeito Rubens Bueno (PPS), no aeroporto da cidade.

Adorado por uns e odiado por outros (os homossexuais que o diga!), Requião sempre consegue encaixar um novo escândalo nos noticiários. A penúltima dele ocorreu nesta segunda-feira, 25. O senador, incomodado com as perguntas feitas por um repórter da rádio Bandeirantes sobre a pensão vitalícia que recebe como ex-governador, tomou pra si o gravador, numa atitude quase que ditatorial.

Mais tarde, no mesmo dia, ele publica em sua página no twitter uma nota dizendo que os jornalistas estão transformando as entrevistas em uma espécie de bullying, oprimindo os políticos com perguntas pesadas.

Justo ele que se gaba por não ter papas na língua, que ostenta sua máscula força política, não passa de um pobre menino indefeso, vítima dos grandes “brutamontes” da imprensa.


Jornal Correio do Cidadão

Do mesmo saco

A troca de farpas entre os dois últimos ex-presidentes da República é um indicativo de que a política brasileira percorre o caminho da padronização. Fabricamos políticos em série, peça por peça, numa linha de produção, onde o defeito e a má conduta são as marcas registradas, sinônimos de perfeição.

Eles juram de pés juntos que são diferentes, que têm seus ideais distintos. Porém, o que vemos é sempre um “mais do mesmo”. Não se sabe mais o que é direita, esquerda, norte, sul, leste, oeste… Eles caminham em todas as direções, flertam, seduzem e embolsam os dois lados da moeda, sem a menor cerimônia.

Confundem o suprapartidarismo com a falta de identidade. Invertem valores, renegam raízes, trocam tudo o que defendem por uma boa aliança partidária.

É Sarney que apoia Lula, que apoia Collor, que apoia a Dilma, que apoia Temer, que, dependendo da oferta, apoia FHC…

Após um quarto de século de redemocratização, o que vemos são apenas projetos, esboços de uma nação democrática.

Trocamos generais por federais.


Última semana para prestar contas ao Leão

(Tiago Silva)

Termina na próxima sexta-feira, 29, o prazo para a entrega da Declaração de Ajuste Anual do Imposto

 de Renda 2011 (ano-base 2010). As declarações começaram no dia 1º de março e, mesmo com dois meses de prazo, ainda faltam aproximadamente 10,5 milhões de declarações a serem entregues, segundo a Receita Federal.

 Quem precisa declarar

São obrigados a declarar todos os contribuintes que tiveram rendimentos tributáveis acima de R$ 22.487,25, durante o ano de 2010. São obrigados também aqueles que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados na fonte acima de R$ 40 mil. Ainda, os contribuintes que realizaram venda de bens ou direitos cujo ganho de capital se enquadra à incidência de imposto, em qualquer mês-calendário.

Também aqueles que realizaram negócios em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e semelhantes, tiveram posse de bens ou direitos de valor total superior a R$ 300 mil durante o ano de 2010 e passaram à condição de residente no Brasil durante o ano de 2010 e nessa condição se encontravam em 31 de dezembro. Os indivíduos com receita bruta superior a R$ 112.436,25 através de atividade rural também precisam declarar sua contribuição.

Formas de entrega

Para este ano vão ser usadas apenas duas formas para a entrega da declaração: internet e disquete. Para ambos os casos é preciso que o contribuinte faça o download do programa de Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), disponível no site da Receita Federal (http://www.receita.fazenda.gov.br/).

A entrega pela internet pode ser efetuada até às 23h59min59seg de sexta-feira, 29, através do sistema Receitanet. Já as declarações feitas por disquete devem ser entregues nas agências do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal, durante expediente bancário. Dúvidas frequentes podem ser sanadas através do site da Receita Federal.


Ilustrasom – 001